Search here...
TOP
Coisas Minhas

Coisas que me irritam #12

(imagem retirada da internet)

Há imenso tempo que não fazia um post com este tema 🙂

Como sabem eu não tenho filhos. Ainda não aconteceu e o que tiver que ser….será, embora o meu Simão faça parte da familia, sem qualquer dúvida.

Eu faço imensas listas, mas para certas coisas I like to go with the flow 🙂

O que não suporto mesmo e me irrita são crianças mal educadas. Aquelas que fazem birra quando não são feitas todas  as vontades.

Um exemplo: No outro dia no comboio, um senhor levantou-se (e não estava nos lugares reservados) porque uma miúda fez uma birra daquelas porque se queria sentar naquele lugar, atenção que ela estava sentada, mas queria aquele lugar.

E berrou, gritou e bateu o pé e o senhor (que já estava farto) levantou-se. A mãe só dizia “pára com isso” “ está quieta” e eu só me apeteceu levantar-me e dar-lhe uma boa palmada.

Peço desculpa mas detesto ver estas coisas. Eu levei umas quantas palmadas (sou teimosa que nem um raio e gostava de jogar à bola com os rapazes) e nunca me fez mal. Estou aqui fresca e fofa 🙂

Eu não sei o que me vai calhar, na volta tenho um filho tipo “O Pestinha” mas com certeza que não irá fazer destas birras em público.

Related Posts with Thumbnails

«

»

91 COMMENTS

  • Anali

    Concordo! Fico pasma, nem tanto com o comportamento das crianças, mas com o dos pais, que permitem tudo, até diabruras perigosas ou que interferem com quem vai a passar (tipo as correrias ao contrário nas escadas rolantes, quando não vão pendurados na borracha), e os paisinhos com cara de pôr do sol a beira-mar!
    Minha mãe, cheia de defeitos e que definitivamente não foi "a melhor mãe do mundo", neste quesito foi perfeita! Não tenho lembrança de nenhuma birra, minha ou dos meus irmãos, nem sequer chamada de atenção na rua! Sabíamos como nos comportar em público e talvez por isso hoje para mim pareça uma loucura ver crianças desvairadas e pais comatosos.

  • Raquel

    Ah ah..irá fazer com toda a certeza…dessas e bem pior ainda…acredite, desde que sou mãe tenho aprendido a deixar de dar simples opiniões acerca disto ou aquilo…ontem tinha acertea de algo. hoje já não tenho…e educar um flho é a tarefa mais complicada que possa existir…Por acaso, a minha filha ainda nunca me fez assim nenhuma birra em publico..mas sei que irá acontecer, e já estive em situações que nunca imaginei estar..;)..Porque sempre pensei "um filho meu fazer isso?!!Nem pensar!"…Mas entendo a sua parte, eu também destesto ver essas cenas, mas não posso deixar de me sorrir quando ouço alguém falar assim…;;)))) Educar um filho é bem mais complexo que educar um cão;) Já agora a foto de ontem dava um óptimo postal para 2012;;))Beijinho, e não leve a mal as minjas palavras…;)

    • Monica Dona de Casa

      Raquel,

      Não estejas a agoirar pá 🙂

      Bj.

      M.

      • Susana Vales

        Faço minhas a spalvras da Raquel…educar um filho nao é fácil e nos dias que correrm eles passam mais tempo a ser educados pelos professores do que pelos pais infelizmente.

  • Paula

    O problema é que a palmada hoje em dia já não é bem aceite. Sinto muito bem os olhares recriminatórios quando o faço e passo-me da cabeça quando eu digo não e a pessoa do outro lado diz: "deixe estar, não tem importância, não é preciso isso", eu perco a autoridade e a pessoa depois nas costas vai dizer isto e aquilo. Principalmente os avós, eu tinha um respeito aos meus que mal abria o bico e hoje os avós permitem tudo.

    • Monica Dona de Casa

      Paula,

      Pois os avós….a minha mãe era demasiado soft para os netos.

      Bj.

      M.

    • isaura

      Estou de Acordo consigo.

  • Nessa

    Pois é Mónica,também eu dizia o mesmo e agora tenho uma pestinha que tem a mania que manda e como eu sou mais teimosa do que ela lá vêm as famosas birras.E acho que umas palmadas não fazem mal a ninguém,no entanto penso que em publico deve-se evitar ao máximo.Eu perfiro castigá-la e ela lá continua no berreiro até se cansar e perceber que não é como ela quer. É desconfortável,desagradável para os pais e para quem assiste,mas é como digo,geralmente quem tem filhos entende e não há que ter vergonha.

    • Celia

      Como eu entendo 🙂
      O meu pequeno tem 2 anos e está na fase das birras. Eu antes de ele nascer também dizia… que horror não suporto crianças birrentas e ainda suporto mais os paizinhos que não fazem nada…
      Hoje percebo que não é assim tão fácil, as crianças fazem birras pelas coisas mais improváveis. Com o meu tenho uma técnica, primeiro conto até 10 pois ele tira-me realmente do sério, e depois finjo que não estou a ver, pois o que mais gosta é de público…. qdo não resulta lá vem a palmada…. que na hora certa nunca fez mal a ninguém… e tal como o meu pai dizia, agora já tem motivo para chorar.
      Mas não há que ter vergonha as crianças são todas iguais… testam os nossos limites.

  • Catia

    Mónica compreendo o que dizes. Eu tenho um filho de 18 meses até ao momento nunca me envergonhou, nao sou mae para fazer todas as vontades só para o nao ouvir chorar. Mas nem sempre as coisas estão no nosso controle, porque embora nós os educamos, eles nascem com a pp personalidade. E tb compreendo que aquela mãe estava a tentar minimizar a birra p/ ñ dar + nas vistas. Sao situações embaraçosas e só o perceberás qd chegar à tua vez.
    Já agora BOM NATAL! E Parabéns por este fantastico Blog.

  • Ana Paula

    Olá Mónica,

    Compreendo-a perfeitamente e concordo. Como mãe de uma peste de 7 aninhos (mas que é e minha vida) tento ser flexível, ao mesmo tempo que a disciplina também tem de ser cumprida, ou não podia sair com ele à rua 🙂 Por vezes o meu filho faz uma birra, mas lá falo com ele e acaba por compreender quando "não é não". Mas já vi casos de crianças se sentarem no chão do supermercado a berrar porque querem um brinquedo… e nesses casos até nem imagino o que vai na cabeça dos pais, porque em lugares públicos pregar uma palmada numa criança por vezes dá início a uma discussão entre o pai/mãe e outras pessoas que vêm o acontecido, como já aconteceu comigo. O meu estava a fazer uma birra e preguei-lhe uma nalgada no rabo então uma senhora estrangeira mandou vir comigo. Enfim… se não batemos somos pais moles se batemos somos duros demais… eu também apanhei nalgadas no rabo e puxões de orelhas e, adivinhe, estou cá 😉
    Um beijinho e desculpe o "testamento" mas este é um assunto que também me sensibiliza.

    Ana Paula

  • Sandra

    Olá Mónica 🙂

    Também não suporto crianças mal educadas.

    Os meus filhos nunca fizeram uma birra. Têm 12 e 15 anos, estão no auge do mau feitio, na idade em que só apetece fechá-los no armário e deitar a chave fora (acho que é por isso que se chama idade do armário).
    Eles sempre souberam que Não significa NÂO, e não nim ou sim.

    E uma palmada na hora certa faz milagres. Eu levei algumas (não jogava à bola, mas andava sempre empoleirada nas árvores) e nunca me fizeram mal.

    Bjs e Bom Natal

  • Tânia

    As birras ele até as pode fazer, dessas ninguem está livre, tu é que provavelmente vais agir de forma diferente de outras mães 🙂

    • Monica Dona de Casa

      Tânia,

      pois, se calhar vai ser diferente mesmo. Felizmento o meu companheiro pensa da mesma maneira que eu, embora diga que eu sou muito mole para o Simão, deixo ele fazer tudo, mas com aqueles olhinhos de cachorro abandonado que ele faz quando faz uma traquinice, conquista-me sempre 🙂

      Bj

      M.

  • Isa

    Pois… Quando te disserem isso do teu "dava-lhe era uma palmada" verás qual será tua reacção. É que é muito bonito falado mas cada criança, tal como nós tem a sua personalidade. Por vezes até são super bem comportados mas há sempre uma hora em que decidem testar limites. O meu é super calmo e amoroso mas já me brindou com uma birra descomunal em público. Que fazer? Bater-lhe para mostrar aos outros que sei educar?! Nem sequer adiantaria.

  • maria

    Nem a propósito, ainda ontem qd fui ao suoermercado, na caixa atrás de mim estava uma sra. com o filho (5/ 6 anos ) em que estavam os dois a discutir porque ele queria levar uma coisa e ela não, então a mulher só lhe dizia que a sra da caixa não ia passar aquilo (entretanto isto quase, quase aos berros) e para que ele parasse que ela "não queria dar barraca na rua…" A minha filha (agora com 9 anos) tb tentou fazer algumas dessas cenas. Lembro-me de duas em especial. Uma vez no supermercado ficou a espernear ao pé dos livros (tinha 3 anos), eu fui buscar o pão (sempre a vê-la) e passados 2 minutos ela estava a chegar ao pé de mim a limpar as lágrimas; outra, uma ida ao parque, passadas quase 2 horas ela achou que ainda não era hora de ir para casa, quando ela já nem me ouvia, contei até 10, peguei nela ao colo, foi uma luta para a meter na cadeira enquanto ela me berrava aos ouvidos, pus o carro a trabalhar e o rádio mais alto que o choro/berros dela. Resultou! Chegamos a casa com se nada tivesse acontecido!
    Ela é teimosa, mas eu ainda sou mais.
    Beijo

    • Monica Dona de Casa

      Maria,

      Também eu sou teimosa 🙂

      Bj.

      M.

  • Susete

    Olá Mónica também fico deveras incomodada com a falta de educação de algumas crianças. O grande problema é que a nossa sociedade não ajuda por ex. tem que se deixar a criança na creche antes de ir trabalhar isso pode significar entre meia hora a 1, mais meia hora que se demora a ir buscar a criança no fim do dia mais 1 h para hora de almoço e oito horas de trabalho (se não se tiver que fazer horas extra) significa que eles estão na creche pelo menos 10 horas. E é óbvio que elas não estão sempre a ser educadas (por melhor que seja a instituição) e depois os pais chegam cansados rabugento com as lides da casa ainda por fazer que depois lhes permitem fazer o que querem só para não os ouvir.

  • Cris

    Hoje em dia não se pode mandar postas de pescada para o ar… até porque certamente que aquela mãe que hoje é permissiva em demasia com a filha, no passado, se visse a mesma cena, diria exactamente a mesma coisa que tu.
    Eu tenho uma filha com 5 anos, quase a fazer 6. Nunca ela me fez passar vergonhas… às vezes, nas compras, quer isto ou aquilo e basta eu dizer não! Mas isto é a minha filha, que foi educada desde cedo com "pão numa mão e pau na outra" como dizem os antigos, ou seja, se por um lado a encho de beijos e mimos, por outro não tolero birras nem faltas de educação. Se tiver que levar uma palmada, leva e pronto. E olha que a minha filha é doida por mim – eu sou o exemplo dela.
    Se calhar também será do feitio dela, obediente… há crianças que são rijas para vergar… não sei se é da personalidade, se da educação que levaram… tudo o que sei é que educar um filho é do mais complicado que pode haver. Claro que algumas regras ajudam, mas não existe um manual que ajude 🙂
    Beijinhos.

    • Rosa

      Mas isso não é só da educação, eu tenho um com 4 anos, que quando digo não é não mesmo, mas o sacaninha faz-me birras que chegam a demorar quase uma hora,

      Quando vejo que não consigo controlar a birra, por norma tento ir para casa ou uma divisão fechada para ele se acalmar….

      Mas já me aconteceu uma vez que tinha coisas mesmo marcadas, estar a almoçar no Colombo, com ele deitado debaixo da mesa a chorar baixinho (graças a Deus as ameaças conseguiram que ele deixasse de gritar) e andei com ele a chorar dentro do carro das compras durante meia hora, vazio e longe das prateleiras, senão ia tudo ao chão, até lhe cair a ficha, parar de chorar pedir-me desculpa.

      A birra começou porque ele rebentou o balão dele, de propósito, e depois queria o balão da filha da minha amiga…

      Devo dizer que para parar de gritar agarrei-o pelo braço com força, e ameacei-o de ficar de castigo com má cara e mesmo assim houve quem me olhasse de lado e viesse oferecer um balão ao menino… coisa que não deixei claro

      Bater com ele na resulta, infelizmente já sei disso, eu era a mesma coisa, mesmo a levar com o cinto nunca me fiquei, são feitios, claro que com a idade mudei:), quando lhe dou um estalo nem o sente, ele já levou umas chineladas do pai com bastante força, nem reclamou, o meu marido ia tendo uma coisa pois teve a certeza que tinham feito doer.

      Devo dizer que o meu filho é bastante nervoso, eu também sempre fui, os meus pais tiveram dois filhos, deram a mesma educação aos dois, o mais velho acho que nunca levou, eu levava todos os dias várias vezes por dia…

      A nosso favor devo dizer que sempre me portei bem na escola e o meu filho é aluno exemplar da pré-primária.

      Este testamento todo só para dizer que as birras podem estar ligadas a muito mais que falta de educação…

      R

  • Mãe

    Eu também me admirava de determinados comportamentos de crianças…até ser mãe!! Tenho um filho que adoro mais que tudo nesta vida mas que sei reconhecer que não é uma criança fácil! Faz montes de birras, faço os possíveis para o educar correctamente, leva palmadas e mesmo assim… ainda não mudou. Muitas vezes nem saio de casa pois já sei o que me espera. Mas aprendi nunca a criticar ninguém sobre qualquer ponto de vista, qto mais em relação à maternidade/paternidade, educação, etc. Isso faz parte da maturidade! Não sabemos nunca o que podem os outros pais passar para pôr os seus filhos "no eixo" por isso mesmo…devemos estar caladinhos. Bom Natal!

  • mae ao quadrado

    lolol tb me fazia muita confusão essas cenas dos miúdos e via os pais ali impávido e serenos ou simplesmente ignoravam enquanto o miúdo se esperneava à frente de toda a gente! (e o meu pensamento era "fonix ai se fosses meu filho")

    Já hoje, com dois e já tendo a minha dose de birras publicas percebo que nem sempre é como parece :S

    Um dia quando fores mãe vais perceber :p mas sim tb há maneiras e maneiras de chamar a atenção ás crianças e ás vezes o truque é conseguir distrai-los para outra coisa q não aquela :p (pelo menos com o meu mais velho era assim)

    jokas

  • magda

    mónica…concordo piamente. Eu sou mãe há apenas 6 mesinhos, ainda não dá para ver o que vai sair daqui. Por enquanto é muito calminha. Mas por mais que muita gente discorde, continuo a dizer que o comportamento dos filhos reflete a educação dada pelos pais. Hj em dia não se pode fazer nada, não se pode dizer nada q as criancinhas ficam traumatizadas. Tenho um sobrinho de 6anos e a mana de 4. são uns pestinhas, mas se os pais dizem para estarem quietos eles obedecem logo… e olhem q são mm uns terroristazinhos. smp disse e continuo a dizer… Vai na educação dada. Peço desculpa se ofender alguém, não é minha intenção, é realmente o q penso, e sempre pensei.

    • Monica Dona de Casa

      Magda,

      Eu também acho que tem a ver com a educação dos pais. Tenho sobrinhos que são completamente diferentes e tem a ver com os pais sim.

      Vamos ver o que me calha 🙂

      Bj.

      M

  • ÁdesCávir

    Olá Mónica,

    Eu só fiz uma birra uma vez, e levei uma tão bem dada que nunca mais. Ai de mim se me lembrasse de bater o pé! A minha mãe não suporta criancinhas mal-educadas e eu também não.

    Beijinhos

  • Kyla

    Sou mãe de uma linda traquina de 19 meses.
    Também dizia esse tipo de coisas (filho meu não vai fazer essas birras), mas olha que agora a conversa é outra!

    Quando vejo uma criança a fazer esses "espectáculos", já não acuso os pais. Pelo contrário, sinto "na pele" o que eles estão a passar e compreendo em parte que muitas vezes não têm culpa!
    Cada miúdo tem o seu feitio.
    Tento educar a minha filha de modo a que compreenda que não pode ter tudo o que quer.
    Se chora? Chora! Mas se vejo que é mesmo birra, fica a chorar (se me custa, claro que sim. Dói mesmo vê-los assim, mas tem de ser).

    Se Deus quiser, uma dia serás mãe e aí vais fazer uma retrospecção da tua vida e redefinir prioridades. Até o teu simão passará a 2º plano.
    Beijinhos

    • Monica Dona de Casa

      Kyla,

      Isso do Simão passar para 2º plano é que duvido. Amo-o de paixão.

      Eu não me dou bem com o meu irmão mais velho mas aprendemos a conviver. ´

      Bj.

      M.

      • Kyla

        Não duvides do que eu digo…o amor de mãe (e pai) é superior tudo, tudo.
        Quanto fores mãe, logo falamos 🙂

        (Não apanhei no contexto, essa do teu irmão…)

        Bj

        • Monica Dona de Casa

          Kyla,

          Não vamos por esse caminho, ok?

          M.

    • Anali

      Desculpa, não sei de onde tiram isto de que o animal passa sempre para segundo plano. Quem ama o seu bicho como família, nunca diminui o amor só pq chega outro membro! Sempre ouvi falar que amor se soma e não se divide! Tive um bebé que infelizmente não está mais entre nós e nunca na sua curta vida os meus bichos foram menos que ela, muito pelo contrário, eramos a grande matilha mais feliz deste mundo! E tenho muitos amigos (felizmente meus amigos não viram a casaca e abandonam os seus animais assim que arranjam "algo mais interessante") que têm filhos e animais que são como irmãos (claro, cada um com as suas necessidades e capacidades, mas todos com o amor, respeito e lugar privilegiado que bem merecem na família!).

      • Monica Dona de Casa

        Anali,

        Não podia ter dito melhor.

        Bj

        M

    • Sofia

      Desculpe, mas não consigo deixar de comentar. O que interessa é o AMOR que se sente, quer seja por um filho ou por um animal. Podem ambos fazer parte das nossas vidas sem serem comparados. Não consigo compreender a necessidade de as pessoas, em determinados assuntos, fazerem sempre o mesmo tipo de comparações, quando não é nada disso que está em questão!

  • Sónia Rodrigues

    Bom Dia Mónica

    Fizeste-me lembrar o que eu pensava antes de ter 2!
    Também achava falta de educação, achava que os pais faziam às vontades tds, mas infelizmente n é bem assim…
    Olha os meus são muuuuuito teimosos não fossem eles do signo Touro e Leão.
    Por exemplo o menino que tem 4 anos se tiver q levar uma palmada no rabo fica-me a doer + a minha mão do que o rabo dele.
    A menina com 2 Anos já pensa que manda.
    Se lhes faço as vontades? Não não faço mas dps lá vem o choro.
    Um dia não queriam andar para irmos para casa, então eu disse que ia subir no elevador, eles ficaram na garagem e eu escondi-me a observar.
    Pensas que eles ficaram incomodados, a luz até se desligou e eles sp contentes, a pekenina perguntou ao irmão.
    A mãe?
    E ele: N tenhas medo eu sei q é o 3º !!!!!!

    Mas tb já assisti uma miuda a fazer birra pk queria 2 lugares um para escrever e outro para sentar, + os 2 pais q estavam sentados e haviam pessoas velhotas e eles nada…….

    Bjs e desculpa o testamento

  • Vera Honrado

    Boa tarde,

    Aprendi a nunca dizer nunca… Eu também sempre fui da opinião que filho meu nunca iria fazer isto ou aquilo, mas na verdade quando eles nascem, não conhecemos a sua personalidade. O que funciona com uma criança, não funciona com outra. No entanto, é verdade que há pais demasiados permissivos, que fazem todas as vontades e as crianças tornam-se uns verdadeiros ditadores.
    Mas educar como alguém já disse pode ser uma tarefa deveras complicada e isso depende muito se os pais estão os dois em sintonia e depende também do feitio de uma criança. Eu não me esqueço que a minha filha com cerca de 12/13 meses, atirou uma mola da roupa para o chão, por eu a ter proibido de fazer algo. Para ela apanhar a mola foi preciso eu abrir-lhe a mão e ajudá-la a apanhar e a fechar a mão, pois ela não queria "dar o braço a torcer"..
    Também uma vez fez o impensável, em pleno centro comercial, deitou-se no chão e já se estava a preparar para "abrir a goela", só me lembro de lhe ter agarrado e levantado pelas calças de peitilho, e ralhar… a coisa ficou por ali e até hoje nunca mais fez nada de parecido, mas nunca se sabe o que eles podem fazer. Ainda assim não precisamos de nos stressar com isso…

    Beijinhos e Feliz Natal para todos

  • Carla

    Olá Mónica
    Concordo com vários testemunhos de mães que também não gostavam de birras antes de serem mães. Eu também não gostava antes de ser mãe e o meu filho que tem 6 anos também tem o seu momento birra e não é por falta de palmadas. Quando tiveres o teu ou tua logo falamos.
    Beijinhos
    Carla

    • Monica Dona de Casa

      Carla,

      Claro que quando passar por isso é que vejo, mas não suporto "levar" com as birras e os pais ali de braços cruzados como se nada fosse.

      Bj.

      M.

  • Cristina

    Olá Mónica

    Sei bem o que disses porque antes de ter a minha filha tinha a mesma opinião. Infelizmente desde que a minha filha nasceu, as birras são constantes. Tudo faço para ela perder as birras…mas como sou teimosa também não deixo ir a dela avante.
    Antigamente quando ía ao supermecado e via uma birra comentava, agora ignoro porque sei bem que também me pode acontecer. Educar é muito complicado sei de muitas coisas que dizia que nunca faria e já engoli em seco por fazer essas determinadas coisas.
    Só quem passa por estas situações é que sabe que é mesmo assim, e sei que um dia também passarás.

    Bjs grandes

    Cristina V.

    • Monica Dona de Casa

      Cristina,

      Espero que não me calhe um pestinha…mas o que tiver que acontecer, será bem-vindo e terá muito amor, com certeza.

      Bj.

      M.

  • Joana

    Eu tenho 3 e cada um tem a sua personalidade. Com o mais velho (7) dialoga-se muito bem. Acabaram as birras desde que aprendeu a argumentar e conseguimos falar com ele. O segundo (5) nem nos ouve e já estava na idade. É o maior birrento que conheço. A terceira (2) é demasiado pequena. É mandona, mas não propriamente birrenta. E não são diferenças de educação… Mas para mim, a parte mais gira de ter filhos é descobri-los e perceber como é que ELES são, não como nos queremos que sejam.

    • Monica Dona de Casa

      Joana,

      Gostei muito do teu comentário. A descoberta é sempre boa.
      Espero que me aconteça também.

      Bj.

      M.

      • Vânia

        A minha sogra ( que também é como uma mãe para mim) sempre me disse: A nossa mão também tem 5 dedos e nenhum é igual e gostas de todos não é? isto para dizer que tenho 2 filhos e aprendi que cada 1 é como é e não como gostariamos que fossem, podemos é limar as pequenas coisas.Tenho um rapaz de 9 anos que é calminho e que até nunca foi preciso colocá-lo de castigo pois ele sabia que tinha feito algo de mal e ia sozinho
        :-), e tenho outro de quatro que na fase das birras parecia que o mundo acabava ( eu até comentava que mais parecia o Hulk, pois tanto era um amor como de repente se transformava num monstro). tentei educá-los da mesma forma no inicio mas cheguei à conclusão que as bases da educação têm de ser iguais mas depois as adaptamos ás suas personalidades. Mas sejam filhos ou animais 🙂 o que interessa mesmo é o AMOR.

  • risonha

    eu sou apologista que, uma palmada na hora certa, nunca fez mal a ninguém. a minha filha era bastante reguila em pequena, mas nunca fez birras em público… se calhar porque sabia que a mãe tinha a "mão leve".. lol

  • Shanaia

    Olá

    Só quem os tem é que sabe, também achava que era culpa dos pais as crianças serem mal educadas e birrentas.

    Agora com o meu filho vejo que os miudos parece que já nascem com uma personalidade dos diabos.

    Sou firme na educação, mas não conseguimos controlar tudo, principalmente com filhos de personalidade forte.

  • maria joão

    Olá Mónica

    Pois se há coisa que detesto tb é miudos assim mas tb te posso dizer que tenho um rapaz e uma rapariga e nunca por nunca ser me fizeram uma única birra sempre os levei a todo o lado mesmo as compras e nunca passei uma vergonha sequer e tb te posso dizer que fui á pouco tempo falar com o director de turma da minha filha para saber como ela estava e vim de lá toda babada pois a beatriz é uma menina super educada e muito amiga do seu amigo ,pretável e até consegue ser a menina que os professores tem confiança pois andam a judar uma menina que tem alguns problemas e a bia consegue saber das coisas e contar aos professores .

  • Vee

    Eu sempre tive muito cuidado ao comentar esse tipo de comportamento porque nunca sabemos o que nos vai calhar na rifa, nem qual será a nossa reacção (ainda que pensemos que sabemos). A minha flha ainda é demasiado pequena para as birras espalhafatosas portanto ainda não fui testada.
    Uma criança vai sempre testar os nossos limites, isso é normal. Até a criança com a educação mais esmerada pode fazer uma super birra e acredito que também dependa da personalidade da criança. A mim também me incomoda, mas compreendo, são fases e não é necessariamente por ser mal-educado que pimpolho esperneia no meio do super-mercado, está a a testar os pais, tem sono, está frustrado, etc. Uma criança não se exprime como um adulto e também há que perceber isso. Uma criança pequena não consegue lidar com a frustração como eu consigo.

  • Vee

    Também não acredito na palmada, muito sinceramente acho que um castigo proporcional tem efeitos mais duradouros. Não percebo porque daria uma palmada na minha filha quando ela se porta mal, se tamém não bato no meu marido quando ele me irrita, com a agravante de eu estar em vantagem em relação a uma criança. Além disso posso dizer que os meus pais nunca me deram uma palmada, e ainda hoje a minha mãe diz que eu nunca fiz uma birra em público e sempre fui uma criança sossegada. O facto de me dizerem o que podia e não podia fazer e darem SEMPRE uma explicação para o sucedido acho que teve bastante influencia. E quando me portava mal ia de castigo uns minutos para o quarto, resultava sempre.

  • Nika

    como eu me identifico tanto contigo Mónica….um grande beijinho!!!!!!!!!!!!

  • Zezinha

    OLá Mónica!
    Passei por aqui só para dizer umas coisinhas ácerca do post.

    Tenho dois filhos com 13 e 18 anos.
    A educação base é igual, mas as personalidades deles são completamente diferentes. O meu filho mais velho envergonhou-me imensas vezes em público e levou imensas palmadas em qualquer lugar e até cheguei a ter que responder a algumas pessoas que se metiam. Era uma pestinha! Hoje é um jovem adulto muito educado com valores familiares e civícos bem interiorizados.
    A minha filha mais nova em criança sempre foi uma doçura, não fazia birras, andava sempre pela minha mão, sinceramente levou poucas palmadas. Hoje com 13 anos é uma adolescente irreverente como todos, mas os valores que foram incutidos ao irmão ela também os tem; mas é muito mais refilona.
    Isto tudo para dizer que a mais dificil e maior tarefa dos pais é EDUCAR. Não há receitas.
    Tal como tu também não gosto dessas atitudes e quando sou incomodada em público irrita-me e muitas vezes não fico calada, pois quando os meus filhos faziam essas birras era eu que atuva primeiro.
    Mas não se consegue controlar tudo.
    beijinhos e bom natal

  • Alda

    Um dia num supermercado estavam duas crianças nas suas brincadeiras pouco sossegadas no meio do corredor com a mãe. Como não conseguia passar meti conversa com elas e com um sorriso disse: "olá deixas-me passar?" Elas iam a desviar-se quando a maezinha disse do alto dos seus tacões: "as minhas filhas não fazem diabruras se pedir por favor elas são educadas e deixam passar". Espero que ela continue com a mesma opinião das filhas. A mal vista fui eu. Também não dei resposta, passei e fui à minha vida.

    • Monica Dona de Casa

      Alda,

      Pois, isso acontece muito. Infelizmente…

      Bj.

      M

  • oriflame

    concordo!! é das coisas mais irritantes que ha.
    ja virei varias vezes as costas e afastei de criancas que estao aos berros por nada…nao tenho paciencia! e muitas vezes apanho as maes que nem dizem nada,continuam a olhar para o lado.

    visitem: http://orivencer.blogspot.com/

  • Fátima Fonseca

    Mónica, concordo totalmente contigo!
    Tenho um filho com 17 anos, teimoso como tudo, desde bébé, mas, nunca fez uma birra, ou melhor só tentou uma vez, na caixa do Carrefour…
    Em casa quem manda sou eu e o pai. Em pequeno nunca chorou à mesa, se queria chorar ía para a casa de banho, nunca se atirou para o chão, nunca fez uma gritaria… Porquê? Técnica da velha palmada e um NÃO bem sonoro.
    Sempre pude ir ao café e às compras sem ele pedir nada (em casa tinha lá TUDO o que gostava), não há birras, quando eu digo não é não mesmo, trata-se de EDUCAÇÃO. Amar é educar, Mónica. Educação é amor. Falta de educação é isso mesmo falta de educação, e isso vem de casa!

    • PaulaS.

      Concordo plenamente.
      Tenho 2 filhos e uma vez a mais velha ( com 13 anos) fez-me "frente" e eu virei-me para ela e castiguei-a. Expliquei-lhe que a estava a educar quando ela se virou para mim a dizer que não era justo. Aí …calou-se porque EDUCAR é AMAR e estamos a criar os adultos de amanhã.
      O mais pequeno fez-me uma vez birra num supermecado, dei-lhe uma palmada no rabiosque e disse: "próxima vez que venhas comigo NÃO te portas mal, só tens a ganhar em não haver chatices."Houve uma sra. que disse coitadinho, mas virei-me para ela e disse que quem lhe estava a dar a educação era EU, e que não admitia que o meu filho fosse mal educado.ela….calou-se.
      Custa ter que fazer isto, mas custa mais ter filhos sem educação e sem respeito por niguém.

      Já agora…Boas Festas

      PaulaS.

      • Fátima Fonseca

        Foi exactamente isso que aconteceu comigo PaulaS., a Sra. que estava à minha frente na caixa ficou chocada, mas eu disse exactamente a mesma coisa… Foi remédio santo, nunca mais fez birra nenhuma… Nunca até ao dia de hoje ninguém se queixou por ele ser mal educado, pelo contrário…
        Bom Natal!!!!!

  • Patricia

    Este tema é muuuuito delicado e acredito que só quem tem filhos poderá dar uma opinião justa. Os filhos não trazem qualquer livro de instruções e são todos diferentes.

    Esta nova "fornada" não é fácil!! Inclusive existem explicações sérias a cerca disso.

    Tenho um rapaz com 12 anos que sempre foi uma ternura, não que não tivesse seus maus momentos, ainda hoje, mas nada demais.

    Entretanto nasceu a minha "Pimentinha" que está com 2 anos e não é nada fácil. Teimosa e não pára um só bocadinho, sair sozinha com eles os dois é uma necessidade, só o faço quando tem mesmo de ser, por que normalmente espero pelas folgas do meu marido.

    Ser mãe não é tão simples assim, não existe uma fórmula universal para impor limites e regras. Engana-se também quem pensa que se consegue dominar as crianças de agora com palmadas, o meu filho até hoje fica muito magoado se lhe dou uma palmada, pergunta-me logo se precisava bater e fecha-se completamente, por isso desde pequenino, opto pelo castigo e muito diálogo, tem sido um sucesso.

    As crianças já não são como eram a uns anos atrás, hoje em dia tem uma personalidade muito forte e é um desafio para os pais, conseguir "moldá-los". A minha filha é igual ao irmão, aceita bem melhor a conversa que uma palmada, normalmente quando dou-lhe uma palmada, ela fica ainda mais irritadiça.

    Além disso há um outro por menor. Na rua, se damos uma palmada é por que os pais são estúpidos, se não damos somos irresponsáveis. A minha filha faz imensas fitas na rua, pelo simples motivo de não deixarmos que ela faça o que quer, ela vai incomodar muita gente, mas com o tempo vai aprender que não pode fazer o que lhe apetece.

    Não me preocupam as opiniões alheias, meu filho é aluno colocado no quadro de mérito da escola, sua nota mais baixa é um 4, sendo que a escala vai até 5, portanto, tenho desempenhado bem o meu trabalho 🙂

  • laura

    Como alguem já disse aqui atráz educar um filho não é tarefa facil, mas mesmo nada fácil. Com um/a as coisas até não são dificeis agora pensem numa mãe/pai e para além de uma filha tem mais duas gemeas e vão todos as compras, pq não tem com quem deixar, e uma pede e diz-se que não a outra pede e diz-se a mesma coisa, uma berra a outra berra, o que vocês faziam? Garanto que não é facil, muitas das vezes temos que ceder um pouco senão, como vocês dizem é horroroso ouvir as crianças a fazer birras.
    Eu gosta de conhecer muitas de vocês que agora não têm filhos e quando tivessem, mas 3 como eu , e eles fizessem birra em publico o que vocês faziam, pensem bem no que dizem porque nós todos temos telhados de vidro.
    Bjs para todas e um Santo Natal
    Laura

    • Monica Dona de Casa

      Laura,

      Quando chegar a altura eu faço outro post a contar 🙂

      Bj

      M.

  • DCosta

    Este tema é sem dúvida controverso.
    Acredito que há as birras que são "normais" como choramingar porque se tem sono, fome ou qualquer tipo de desconforto.
    Para mim recai na anormalidade tudo o que são birras de as crianças gritarem (porque a maioria não chora mas finge que sim para chamar a atenção), espernearem, manipularem e até baterem nos pais porque simplesmente são mal-educadas. Entenda-se que a educação não é exclusiva do que aprendem com os pais mas o que aprendem na escola, o que aprendem com os pares e com os avós.

  • DCosta

    Não adianta a mãe dizer não e depois a avó diz toma lá. Há que ter um modelo educacional pré-definido, adaptado ao regime familiar em questão. Um exclente exemplo de como a educação modela as crianças é um programa que dá no canal TLC "Take Home Nanny". Gosto muito de ver sempre que possível e é de uma ajuda extrema no que diz respeito à tarefa árdua que é educar.
    No caso concreto exposto pela Mónica, acho que é falta de educação de mãe e filha incomodarem os outros passageiros mesmo estando sentadas, levando a pessoa a mudar de lugar. A mãe devia pedir desculpa e obrigar a filha a fazer o mesmo. Enquanto não o fizesse iria de pé a viagem toda, para reflectir na atitude feia e má que estava a ter para com a mãe e com o senhor em questão.

  • Teresa C.

    Olá Mónica,
    Tal como tu não tenho crianças, mas também detesto crianças mal educadas.
    Se essa situação do comboio se tivesse passado comigo eu não me levantava, assim marcava melhor a posição da mãe da criança para mostrar em como tinha uma filha mal educada.
    Acho que uma palmada na altura certa nunca fez mal a ninguém (sem exageros…) infelizmente hoje em dia há muitas crianças tremendamente mal educadas… mas felizmente ainda encontro algumas que são o oposto e são muito bem educadas;
    E estas últimas são aquelas que tendo os pais juntos ou não, têm principios e valores que lhe são incutidos, regras, que são para cumprir…
    Quando têm castigos de uma semana….. são mesmo de uma semana…… não são de uma hora…
    A médio longo prazo….. nota-se na criança…. e lentamente também vão aprendendo que não podem ter tudo o que os outros têm…
    Todos nós temos de lidar com frustrações, em crianças e em adultos, quanto mais tarde aprenderem isso pior será para elas…
    Bjs
    Teresa C.

  • Lucília

    Olá Mónica

    É certo que não tens filhos, mas eu tenho um e deixa que te diga que não foi flor que se cheire. No entanto, fico pasma com as mães que comentam que preferem que os filhos façam birras e que depois passa. Pois. pois… é por isso que hoje um enorme número de crianças tem um comportamento ridículo. Infelizmente estes pais ainda não perceberam que os outros não precisam aturar as birras dos meninos dos outros, chega a ser uma vergonha. Eu em criança fui fresca, mas fora de casa não me era permitido cenas de birras e o meu filho, que foi uma criança muito ativa… nunca lhe permiti cenas parvas fora de casa, nunca me envergonhou. A primeira vez que o meu filho tentou fazer uma birra, o pai deu-lhe razão para ele chorar (afincou-lhe uma palmada no rabiosque), da segunda vez que tentou, o pai voltou a perguntar se queria ter razão para chorar. O rapaz calou-se de imediato, nem foi necessário o pai dar a tal palmadinha, lição aprendida. O grande problema dos papás hoje é não terem pulso para os meninos, dar uma palmada é algo… também apanhei muitas palmadas e hoje estou fresca e fofa como tu e com muita educação e o meu filho… um homem de 21 anos bem educado, elogiado por muitos, sou uma mãe orgulhosa.
    O resto de uma boa semana, sem birras… hehehe

    Lucy

    • Monica Dona de Casa

      Lucilia,

      Concordo com tudo.

      Bj

      M.

  • tixa

    Depois destes comentários todos eu vou experimentar ser mãe e depois venho aqui de novo:-)
    beijinhos

    • Monica Dona de Casa

      Tixa,

      Estou contigo. Vou ali praticar mais um pouco 🙂

      Ainda levo é porrada hoje 🙂

      Bj

      M.

    • apc

      LOL 🙂

  • Suzana

    Monica , concordo com vc ! Para os pais não é nada a birra do seus filhos, mas é terrivel aguentar a falta de educação do filho dos outros e gritaria no seu ouvido . Até porque educação precisa ser ensinada em casa. Bjs!!!

    • Monica Dona de Casa

      Suzana,

      Nem mais.

      Bj.

      M.

  • Nuno

    Olá
    Nestes casos é melhor não dizer desta água não beberei. As crianças são pela sua natureza irreverentes, daí ao mau comportamento ou simples birras é um pequeno passo.

    A tolerancia aumenta assim que somos pais 🙂

    A única forma para uma criança não fazer uma birra em público é nunca estar em público.

    Cumprimentos
    Nuno

    • Anjo-de-Mel

      Tal como a Mónica, (ainda) ñ sou mãe, mas tenho observado de perto o comportamento das filhas (praticamente ñ há rapazes) das mhs amigas e claro, apesar de tentarem educar, cada criança é diferente e tentam sempre ultrapassar os limites… Porém, como sou professora, na escola têm passado por mim dezenas de crianças e uma pessoa percebe mt bem se existe educação em casa ou não. É um tema controverso, é certo, mas a minha opinião é que quem deve mandar são os pais e ñ a criança, por mais teimosa q seja. Como mts comentários assinalam, ñ existem pais perfeitos nem filhos perfeitos, mas a falta de educação e de regras reflecte-se no dia-a-dia com outras pessoas, nomeadamente no meio escolar e em locais públicos.

  • Isa

    Educação é fundamental. Temos de dar amor, mimo e ter mão firme para o que tem de ser. Mas não se pode esperar que uma criança não diga "não", "quero", que não manifeste o seu desagrado, que não tente impor a sua vontade, que não esperneie como forma de manifestar a sua frustração. Isso é SAÚDE. Depois estamos cá nós pais para mediar tudo isso. É preciso ter paciência e disponibildade para os filhos, porque às vezes são apenas chamadas de atenção e estando atentos e conhecendo-os não é tão complicado assim.

  • Patricia

    Eu tenho uma filha de 12 anos e meio e penso que nunca me fez uma dessas.
    Um dia ía eu no metro e entra uma mãe com duas crianças. Estávamos quatro pessoas nos lugares não reservados (se não houver destes, não me sento nos outros). Dos lugares reservados ninguém se mexeu, dos "nossos" um senhor levantou-se para a mãe se sentar com a criança mais pequena. A outra, claro, também se queria sentar. Fez uma birra que queria e queria e ninguém lhe estava a ligar nenhuma. A mãe ainda fez uma cara do género "não vêem que a criança se quer sentar"? E eu só pensava: azarinho… azar… ela que se levante as duas crianças sentam-se num banco… ao fim de algum tempo, e porque já ninguém suportava a situação, outro senhor levantou-se… enfim… eu mesmo quando estava grávida, nem sempre me sentava… ás vezes vê-se pessoas com mobilidade reduzida, ou velhinhos e ninguém lhes dá o lugar… enfim…
    bj

  • Patricia

    Atenção, não estou a dizer que a minha filha é perfeita, mas a educação e o bom senso começam em casa…
    beijos e umas belas festas no Simão

  • Nessa

    Sinceramente acho mesmo que há que entender que para muitas crianças uma palmada não resulta. As crianças são diferentes,já nascem com personalidade e acho totalmente incorrecto dizer que uma criança que faz birra é mal educada. A minha filha agradece quando lhe dão algo,pede por favor,pergunta se pode sair da mesa quando acaba a refeição,é meiga e adora ajudar,não sou de lhe fazer as vontades como já disse,no entanto faz birras quando não tem o que quer e bem lhe posso dar palmadas,gritar que não vale de nada,o que resulta é ir para o castigo e ficar lá até se acalmar sozinha e quando finalmente se acalma pede desculpa. É uma criança com 2 anos e meio que tanto faz o que lhe pedem como é teimosa e me tenta levar ao extremo até ter o que quer,mas como eu sou bem mais teimosa,ela bem pode espernear.Agora dizem que se a minha filha é mal educada por faz birras por vezes?Não será injusto tendo em conta em como sou firme e ainda assim ela tenta levar a dela avante?! Acho sinceramente que as pessoas são demasiado criticas. Apontam defeitos sem saber o que se passa e sem saber o que é estar na pele dos outros.

    • vee

      Nessa, o problema é que por vezes parece que se está a falar de uma criança como se fosse um autómato que não tem vontade própria. A criança é um ser humano (embora que em formato mini) e tem personalidade. Há crianças bastante mal-educadas e que fazem birras MAS nem todas as crianças que fazem birras é por serem mal-educadas, penso que a questão seja essa.

  • Micaela

    É tão engraçado ver os comentários acerca deste assunto… Eu sou mãe e tenho uma menina de 2 anos e meio que desde que nasceu mostrou ter uma personalidade forte. Faz algumas birras e nem quero imaginar o que faria se não fossemos firmes com ela. A história da palmada é muito bonita mas nem sempre resulta, até porque muitas vezes tem o feito adverso. A minha levou algumas leves na mão ou no rabo e basicamente ficou a saber que se bate nas pessoas quando se portam mal, ou seja, quando ela entende que alguém se porta mal com ela também quer bater e não era nada disto que queríamos que ela aprendesse. Eu já aprendi a estar pouco me lixando para o que os outros acham das figuras que faço ou deixo de fazer. Tento que ela seja educada (nunca vi uma menina dizer tantas vezes por favor e obrigada) e não incomodar, mas às vezes tem mesmo de se ignorar.
    eu compreendo que quem tem filhos faça estes comentários. lembro-me de uma vez em que tive de segurar um menino que ia disparado para o elevador e de ter ficado escandalizada pelo facto de os pais os terem deixado fugir e de nem terem dito nada. Agora percebo que nem sempre lhes conseguimos deitar a mão e que provavelmente ficaram envergonhados e demasiado assustados para falar.
    Gosto muito de ler este blog e aprendo muitas coisas, mas, Mónica, acho que te deves mentalizar que as crianças nem sempre se encaixam na ideia pré-concebida que temos delas. Eu pensava em tanta coisa que ia fazer assim e assado e saiu-me na rifa uma menina tão doce e ao mesmo tempo tão inteligente e reguila que me gorou muitos planos. Mesmo assim, é a melhor coisa do mundo.

    • Nessa

      Bem Micaela,ao ler o teu comentário parecia que estavas a falar da minha filha. 🙂 a realidade é que educar é mesmo dificil e desgastante.Por vezes é cansativo ter de fazer constantemente "papel de má".

  • sandra

    quando tiveres um filho vais ver que não vais ver as coisas dessa maneira….(isto se tiveres um pestinha), acho que até te podes arrepender de teres escrito este post..isto se passares pelo mesmo… eu dizia o mesmo, ate ter um pestinha de 3 anos que é do pioriu, no entanto tenho uma menina de 12 anos que nunca mas nunca fez birras nem nada que se pareça , e nunca levou uma palmada….este de 3 anos todos os dias leva palmadas…. ja me fez passar umas tantas vergonhas já , uma vez no minipreço agarrou em iogurtes e partiu a embalagem, de-i-lhe uma palmada bem dada e meti um casal de velhotes a olhar pa mim com um ar que me queriam bater…. só tendo um filhote assim é que sabemos e GARANTO TE NÂO é falta de educaçao não ….

    • tota

      Estou solidária! lol. O meu tem 18 meses e já "ensaia" birras… e a palmada não resulta com ele…. é desafiador… é um karma! 🙂 Boa sorte e felicidades.

  • Patricia

    ah ah! Todas nós dizemos "filho meu não faz birras em público", mas depois todas nós pagamos pela língua… Até pode fazer só uma, mas irá fazer com certeza. Quanto ás palmadas, eu não sou nada contra, também levei uns bons "açoites" e não tenho traumas psicológicos. A palmada certa na hora certa nunca fez mal a ninguém..
    Beijinhos e feliz natal

  • Susi Jorge

    Existe uma diferença brutal em termos uma criança hiperactiva, irrequieta, impaciente e uma criança mal educada, arrogante, egoísta e sem qualquer tipo de valores ou orientação….

    Não tenho filhos, mas sou filha e tive uns pais que me souberam educar devidamente, e hoje posso estar em qualquer lugar e com qualquer pessoa sem qualquer tipo de problema. Respeito os outros para ser igualmente respeitada e isso é algo que se ensina a começar pelo nosso próprio comportamento.
    Digam o que disserem, mas a educação, a orientação e os valores vêem de casa!

    Desculpem-me a minha humilde opinião!!!!

  • helena relvas

    Olá Mónica, concordo em pleno. Tenho 2 filhos. Náo quero fazer de advogada da rapaziada, mas temos que considerar que provavelmente a criança havia acordado bem cedo, deitado tarde e no dia a dia acompanha o rtimo louco dos adultos e inevitavelmente fica em stress, devido à idade, resulta em birras… náo é q concorde , mas é um observar do outro lado …. Náo existe nem o preto nem o branco… Percebe?! Bjocas e parabéns pelo excelente blog e diária partilha

  • Sofia

    Já muita gente o disse aqui, vou repetir-me mas podes ter a sorte de eles não te fizerem uma birra dessas como podes não ter. Eles têm a sua personalidade própria, que é moldada pela educação que lhes damos, mas mesmo assim há uns "com mais personalidade" que outros.
    E a teoria da palmada é muito bonita, mas é mesmo uma teoria, que há miúdos que podem apanhá-las a torto e a direito e não ligarem nenhuma…Haverá por certo outros castigos que lhes farão efeito, mas a palmada não serve para todos.
    Tal como uma mãe disse aí em cima, antes de termos filhos todas dizemos que "filho meu nunca vai fazer estas birras", mas depois de eles estarem cá fora o caso muda de figura. E há alturas em que deixas mesmo cair, porque estás cansada, porque passaste a manhã toda a ralhar e a dar palmadas, porque és humana e também falhas. O problema é que "quem está de fora gosta de rachar lenha". E as mães, para a nossa sociedade, não podem errar.

  • LILIANA

    Um apelo a todas as mães… Façam um favor à Humanidade e quando for preciso digam não ao seu filho "A SOCIEDADE AGRADECE". Se alguns adultos tivessem ouvido um não de vez em quando em criança (e ainda hoje)… éramos todos bem mais felizes!
    Dar a desculpa que as crianças têm a tal personalidade, para desculpar as diabruras e a mimalhice, não é desculpa. Hoje em dia a maior parte dos pais deixa as crianças fazer o que lhes apetece…
    Reflexo disso no futuro??? Vão-se tornar adultos insuportáveis. Nesse caso que contas Mónica, já presenciei também situações idênticas que me revoltaram, mas a culpa não é das crianças mas sim dos pais. Enfim… para situações destas não existem desculpas, e não adianta nada dizer que ´"quando fores mãe é que vais entender". A má educação e a má criação não se entendem. POR FAVOR EDUQUEM OS VOSSOS FILHOS…

  • tota

    Olá Mónica! Eu também achava isso…. e também detesto meninos mal educados, mas a verdade é que educar um filho é uma coisa, manipular a sua personalidade é outra… tenho a sensação que o meu "terrorista" me vai fazer dessas birras e, quem sabe, piores. É óbvio que eu nunca deixaria ninguém levantar-se do lugar para ele se sentar e uma palmada seria obrigatória numa situação dessas, mas… com o feitio que ele já demonstra ter, acho que vou ter vida complicada apesar do pulso forte que vou começando a ter para o "educar"…

  • Maria

    Finalmente alguém disse a verdade, gostei do que disse LILIANA. Concordo consigo.

  • Joana

    Olá Mónica, tudo depende das crianças… Umas são mais calmas, outras mais travessas. E acredita que todos nós, enquanto pais, fazemos o melhor para os nossos filhos. Há dias difíceis, muito difíceis… Por isso, não responsabilizo os pais, ainda que considero que existem pais muito permissivos – mas para julgar, há que conhecer primeiro.

    Beijinho

  • Sara

    Pois eu também concordo com quase tudo o que já foi dito aqui, e também eu antes de ser mae dizia "porque quando eu tiver um filho vou fazer isto e não vou permitir aquilo…" mas o que é certo e duas filhotas lindas depois, as coisas nem sempre são como nós pensamos.
    E de facto existem certas coisas que só podemos falar delas quando passarmos por lá: a questão dos filhos e o que se vai fazer ou dizer só sabemos na verdade quando os temos.

    É como se costuma dizer, falar é fácil a prática é bem mais complicada 😉

  • Isabel Duarte

    Olá! Fico feliz quando alguém tem coragem de dizer alguma coisa sobre estas pestes mal educadas que proliferam por todo o lado. Eu tenho uma filha e ela nunca fez estas fitas, foi sempre bem educada, por isso falo à vontade. A culpa é dos pais que deixam chegar a estes extremos. E ainda há quem diga que o melhor do mundo são as crianças!!! Mil vezes um Simão que é um fofo!

  • Maria João F.

    Não há muito mais a dizer para além do que foi dito, poso apenas dar-te a minha experiência pessoal:
    Sou mãe de uma criança de 10 anos e à semelhança de outras mães minhas amigas não sei o que é uma birra, mas curiosamente tenho amigas que antes de serem mães diziam que não admitiriam birras em público e foram precisamente essas que as tiveram ihihih. Hoje dizem que as coisas não são bem como imaginavam.
    A educação molda muito uma criança, disso não há dúvida, mas cada uma tem uma índole própria…

    Quanto à palmada sou completamente contra. Sou um bocadinho como os nórdicos (há países onde é crime). É possível educar sem bater, garanto-te por experiência!!

    Beijinho.
    Bom Ano com tudo de bom!!!!

    • apc

      É a minha óptica (nunca posta em prática, porque não tenho filhos). Essa coisa de ser visto como normal um adulto bater numa criança (e quanto não se levou de estaladas, reguadas, coisas fortes, feias e más) é uma doença da inteligência, coisa grotesca e animalesca; cobardia de gente a quem, se oferecessem porrada fugia, mas nos miúdos caem à grande e à francesa… crime! Já a palmada no rabiosque, acho que levei uma vez uma útil: foi quando larguei da mão dos meus pais e corri para a estrada. Talvez faça sentido qualquer elemento de "choque" para a criança interiorizar uma proibição destas, que é importante e lhe poderá salvar a vida. Mas todas as outras que apanhei (de colher de pau, por não saber fazer as contas da primária; de cinto por ter amuado face à imposição de largar uma festa de anos e vir para casa; e os tabefes paternos por tudo e por nada… nem um só fazia falta, nem um teve razão de ser e nem um mudou alguma coisa para melhor; apenas me faz olhar para trás com pena disso tudo e de não terem sabido fazer melhor. Gosto dos meus pais, mas não os posso admirar neste eixo da educação… exactamente por isso mesmo: a cumplicidade de dois adultos face à violência contra uma criança.

  • Manuela

    Olá, eu também era assim, até um belo dia a minha filha ter a primeira birra, apesar de eu fazer todos os possíveis para lhe dar a melhor educação, a única coisa que me ocorreu foi dizer para quem se pôs a olhar para mim com um olhar inquisidor foi: e eu que pensava que só os filhos dos outros é que faziam birras?! – pois é nem sempre bem assim, e talvez vai te irritar menos quando tiveres um filho, para refutar este teu ponto de vista!!!!

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *