No outro dia estava com a minha melhor amiga e falámos sobre o Minimalismo e como este tema está a mudar a minha vida.

Expliquei-lhe o MEU Antes e Depois.

Falámos sobre a “obrigatoriedade” de ter coisas. Como se fosse obrigatório ter uma casa com divisões a mais, divisões que praticamente não usamos, e como se fosse obrigatório ter uma certa quantidade de mobilia só porque sim.

Uma das coisas que aprendi com o Documentário Minimalism foi que não devemos ter coisas por obrigação ou porque é suposto termos coisas.

Por exemplo:

Na imagem em cima vemos o movimento de uma família na sua casa.

Se olharmos bem, vemos que só por uma vez entraram na sala de jantar.

Quantas salas de jantar existem apenas para visitas. Quantas pessoas compram casas grandes, com rendas caras porque “precisam” de uma casa grande para receber visitas.

Almoçamos e jantamos na cozinha, mas temos uma sala de jantar, para o caso de alguém aparecer, para o caso de algum familiar ir lá jantar.

Para mim isso não faz sentido. Temos de ter uma casa consoante as nossas possibilidades e utilização que damos no dia-a-dia.

Eu tenho uma cama de casal e tenho uma mesa antiga a servir de mesa de cabeceira. Não tenho 2 mesas de cabeceira só porque é suposto ter 2 mesas de cabeceira.

Vendi o pousa pés do sofá, porque não me fazia falta, ainda ando a ver se preciso mesmo de uma mesa de centro, já que é um acumular de tralha. Não tenho uma real utilidade com ela.

Devemos ter o que precisamos e usamos. O resto é aparência.

Related Posts with Thumbnails